Quarta, 24 de Julho de 2024
21°C 35°C
Itapecuru Mirim, MA
Publicidade

Reajuste anunciado por Coroba no salário dos professores na verdade é Lei e vai até 2026

Para o ano de 2023 o novo FUNDEB determina 17% , ano passado foram 15%

12/01/2023 às 07h59
Por: Alberto Júnior Fonte: Jornal O Povo
Compartilhe:
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O reajuste de 33,24% para os professores da educação pública se deve ao novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), aprovado em 2020. O aumento que houve no ano de 2021 foi apenas o começo da ampliação, que ocorrerá gradualmente e ano a ano até 2026. Embora o impacto preocupe os gestores públicos, o professor no Brasil recebe um dos piores salários do mundo.

O piso nacional do magistério foi definido pela lei 11.738/2008. A lei estabelece que o valor é atualizado anualmente, em janeiro, no mesmo percentual de crescimento do valor anual mínimo por aluno referente aos anos iniciais do ensino fundamental urbano do Fundeb.

É aí que entra o novo Fundeb. Aprovado no fim de 2020 e em vigor desde 2021, o fundo ampliou os recursos do governo federal para a educação. O valor total do Fundeb em 2021 foi de R$ 179 bilhões. Para 2022, ficou acima dos R$ 236 bilhões. No primeiro ano de Novo Fundeb, a contribuição da União passou de 10% para 12%. Essa elevação impacta nos valores por aluno. E isso repercute no salário dos professores. O índice é previsto em lei, é autorizado pelo governo federal e deve ser pago por estados e municípios.

O deputado federal cearense Idilvan Alencar (PDT), que foi secretário da Educação do Estado, destaca que esse é apenas o começo do impacto do novo Fundeb. Em 2021, a participação federal passou de 10% para 12%. Mas, seguirá aumentando até 2026.

Em 2022, passará a 15%. Em 2023, chegará a 17%. Em 2024, irá a 19%. Em 2025, atingirá 21%. Até chegar a 23%, em 2026.

A se manter a regra atual, esse aumento deverá seguir a impactar o salário dos professores pelos próximos anos. Idilvan explica que não é possível saber se os reajustes serão sempre no patamar deste ano de 2021, porque depende da cesta de impostos que compõe o Fundeb.

O deputado defende o aumento salarial como forma de valorizar os professores, sobretudo quando se vem de dois anos de déficit educacional, devido às restrições ao ensino durante a pandemia de Covid-19. Os educadores enfrentam dificuldades, ele destaca, para repor conteúdos que tiveram aprendizagem deficiente nesse período.

"As pessoas têm a visão romântica de que educação resolve tudo, resolve a violência e todo mais. Mas não querem enfrentar debate do financiamento."

Além do valor, outra mudança do novo Fundeb é incluir na remuneração os demais profissionais da educação além de professores, exceto os terceirizados. Uma forma, segundo Idilvan, de estimular a realização de concurso público. Caso o gestor contrate terceirizados, não pode usar dinheiro do Fundeb para remunerá-los. Estes devem ser pagos numa folha salarial à parte.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Itapecuru Mirim, MA
21°
Parcialmente nublado

Mín. 21° Máx. 35°

22° Sensação
1.46km/h Vento
97% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h05 Nascer do sol
06h02 Pôr do sol
Qui 35° 20°
Sex 35° 20°
Sáb 36° 21°
Dom 37° 21°
Seg 35° 21°
Atualizado às 04h03
Publicidade
Publicidade
Anúncio
Economia
Dólar
R$ 5,59 -0,03%
Euro
R$ 6,06 -0,08%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,56%
Bitcoin
R$ 393,487,83 +0,65%
Ibovespa
126,589,84 pts -0.99%
Publicidade
Anúncio
Publicidade
Anúncio
Publicidade
Anúncio
Publicidade
Lenium - Criar site de notícias